Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Curtume, o que é ?

É chamado de curtume o local onde ocorre o tratamento químico de couro cru ou pele animal para convertê-la em couro. Resumidamente um agente de curtimento desloca a água dos interstícios entre as fibras de proteína e “cimenta” essas fibras. Os três agentes de curtimento mais amplamente usados são tanino vegetal, sais minerais como sulfato de cromo e óleo de peixe ou animal.

O couro pode ser produzido a partir da pele de animais de diversas espécies, sendo classificado, então, conforme tal origem. No Brasil, produz-se o couro tanto a partir de animais domésticos de origem bovina, bufalina, caprina,
equina, e de avestruzes, quanto a partir de outros animais como jacarés, rãs e cobras, próprios da fauna silvestre brasileira, criados em cativeiros regularizados junto ao órgão ambiental competente: o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – IBAMA.

Etapas da produção do couro

Em resumo, o processo geral de transformação de peles em couros é normalmente dividido em três etapas principais, sendo conhecidas por:

  • Ribeira: remolho, caleiro/depilação, descarne, divisão, descalcinação, purga e píquel;
  • Curtimento;
  • Acabamento; o acabamento, por sua vez, é usualmente dividido em “acabamento molhado”, “pré-acabamento” e “acabamento final”.
Curtume - Imagem de duas peças de couro sobre uma bacana e acima da imagem o texto Curtume

Os curtumes são normalmente classificados em função da realização parcial ou total dessas etapas de processo. Dessa forma, têm-se os seguintes “tipos de curtumes”:

  • Curtume integrado: capaz de realizar todas as operações, desde o couro cru (pele fresca ou salgada) até o couro totalmente acabado. Nas atividades ocorrem, conservação das peles, classificação e pesagem, pré-remolho, pré-descarne, remolho, depilação e caleiro, lavagem, descarne, recorte, divisão, flor e raspa, lavagem, descalcinação e purga, lavagem, piquel e curtimento, descando, enxugamento, rebaixamento e recorte, neutralização, recurtimento, tingimento, engraxe, cavalete, estiramento, secagem, condicionamento, amaciamento, estaqueamento, recorte, lixamento, desempoamento, impregnação, acabamento, prensagem, mediação e expedição/estroque.
  • Curtume de wet-blue: processa desde o couro cru até o curtimento ao cromo ou descanso / enxugamento após o curtimento, o nome wet-blue é dado, devido ao aspecto úmido e azulado do couro após o curtimento ao cromo.
  • Curtume de semiacabado: utiliza o couro wet-blue como matéria-prima e o transforma em couro semiacabado, também chamado de crust, sua operação compreende as etapas desde o enxugamento ou rebaixamento até o engraxe ou cavaletes ou estiramento.
  • Curtume de acabamento: transforma o couro crust em couro acabado, com operações desde cavaletes ou estiramento ou secagem até o final (estoque / expedição de couros acabados). Há quem também inclua nessa categoria os curtumes que processam o wet-blue até o seu acabamento final.

Principais impactos ambientais do processo produtivo de Curtumes

Abaixo apresentamos potenciais impactos ambientais que podem ser ocasionados ao meio ambiente, durante as atividades no processo produtivo realizado em curtumes.

  • Odor – Incômodo ao bem estar público;
  • Prejuízo à qualidade dos corpos d’água;
  • Eventual contaminação do solo solo e das águas subterrâneas.

Medidas de Produção + Limpa aplicadas pelo setor de Curtumes

Abaixo é apresentado medidas de produção + limpa, empregadas no setor de curtume e apresentadas no uia Técnico Ambiental de Curtumes (CETESB – Companhia Ambiental do Estado de São Paulo).

  • Racionalização do uso de produtos químicos;
  • Gestão de materiais sólidos;
  • Redução de emissões atmosféricas;
  • Operação com peles “frescas”, “em sangue”;
  • Formação de lotes de produção com peles selecionadas e agrupadas por peso;
  • Batimento de sal de peles salgadas;
  • Reuso de sal recuperado de peles salgadas;
  • Pré-descarne de peles salgadas ou em sangue;
  • Depilação sem destruição dos pelos (recuperação de pelos antes do caleiro);
  • Depilação de aparas de pele em separado;
  • Redução do uso de sulfeto de sódio;
  • Reciclagem de banhos de depilação e caleiro;
  • Reciclagem do banho de píquel;
  • Curtimento com alto esgotamento de cromo;
  • Reciclo de cromo residual de banhos de curtimento e de efluentes cromados;
  • Reciclo direto de banhos de curtimento recuperados;
  • Gerenciamento dos recortes das peles antes do curtimento, para direcionar as aparas o máximo possível para fabricação de gelatina;
  • Orientação da espessura do couro para cada artigo, na operação de divisão, otimizando a obtenção de raspa e minimizando a geração de resíduos cromados (aparas curtidas e serragem de rebaixadeira);
  • Tingimento de couros com esgotamento otimizado de corantes;
  • Uso racional de água;
  • Reúso de efluente tratado no processo produtivo e na ETE;
  • Uso racional de energia;
  • Redução de tensoativos.

Licenciamento Ambiental para Curtumes

A Regularização/Licenciamento Ambiental é uma obrigação legal prévia à instalação de qualquer empreendimento ou atividade potencialmente poluidora ou degradadora do meio ambiente.

O Licenciamento Ambiental poderá ser feito no âmbito federal, estadual ou municipal, dependendo das legislações e estruturações dos municípios para exercer esta competência. Normalmente, no caso dos curtumes, o licenciamento ocorre em âmbito estadual ou municipal, em função da abrangência do impacto.

Fontes: Guia Técnico Ambiental de Curtumes (CETESB – Companhia Ambiental do Estado de São Paulo) e Guia Técnico dos Setor de Curtumes (FEMA – Fundação Estadual do Meio Ambiente, Minas Gerais).

Tem dúvidas se precisa realizar o Licenciamento Ambiental de sua atividade ? Entre em contato com a GreenView, somo uma Consultoria Ambiental e iremos te ajudar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *