Microplásticos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Microplásticos e suas definições

O termo “microplásticos” foi definido por várias agências reguladoras internacionais e órgãos científicos em diversos contextos. Algumas agências usam o termo “microplásticos” em relatórios, mas não incluem uma definição.

Algumas agências definem itens relacionados, como lixo, detritos marinhos, microfibras, etc.

A maioria das definições de “microplásticos” das agências inclui critérios para dimensões, no entanto, poucas incluem critérios para substância ou estado.

O Departamento de Controle de Substâncias Tóxicas – The Department of Toxic Substances Control (DTSC) da Califórnia, não descreve especificamente “microplásticos” ou um termo relacionado, no entanto, o DTSC observa os tamanhos das partículas e das fibras como características de risco:

(a) O traço de perigo das dimensões das partículas ou das fibras é definido como a existência de uma substância química na forma de pequenas partículas ou fibras ou a propensão para se formar nessas partículas ou fibras de pequeno tamanho com o uso ou liberação ambiental.

(b) A evidência para as dimensões da partícula ou característica de risco da dimensão da fibra inclui, mas não está limitada a: medidas de dimensões de partícula menores ou iguais a 10 micrômetros no diâmetro aerodinâmico médio de massa para exposição por inalação, ou menos do que 10 micrômetros em qualquer dimensão para exposição dérmica ou por ingestão, ou fibras com proporção de 3: 1 e largura menor ou igual a 3 micrômetros.

A Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (U.S. EPA) define microplásticos amplamente como “partículas de plástico <5 mm em dimensões em qualquer dimensão”.

A Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA) define microplásticos como “partículas de plástico menores que 5 mm” (Courtney Arthur, Baker e Bamford 2008). Este tamanho máximo foi escolhido com base em possíveis efeitos ecológicos além do bloqueio físico do trato gastrointestinal (Courtney Arthur, Baker e Bamford 2008).

Os microplásticos são definidos pelo International Joint Group of Experts on the Scientific Aspects of Marine Environmental Protection (GESAMP) como “partículas de plástico <5 mm de diâmetro, que incluem partículas na faixa de nanodimensões (1 nm)” (GESAMP 2019). Nenhum estado aparente ou critério de substância são incluídos.

Fonte: Peer Review Comments and Responses for the Proposed Definition of ‘Microplastics in Drinking Water’ (Version February 1, 2020).

Microplásticos em Água Potável

Conforme California Water Boards, a definição para microplásticos em água potável refere-se a materiais poliméricos sólidos aos quais podem ter sido adicionados aditivos químicos ou outras substâncias, que são partículas que têm pelo menos três dimensões maiores que 1 nm e menores que 5.000 micrômetros (µm)3.

Os polímeros que são derivados na natureza que não foram quimicamente modificados (exceto por hidrólise) estão excluídos.

Microplásticos. Dedo indicador com presença de microplásticos brancos e azul.

Onde são encontrados ?

Já foram encontrados microplásticos em todos os oceanos do mundo, e em locais mais profundos, como por exemplo na Fossa das Marianas (local mais profundo dos oceanos, atingindo uma profundidade aproximada de 10.841 metros).

Também são encontrados no ar que respiramos, na água potável (engarrafada) em alguns alimentos e como citado acima em ambientes marinhos. Em 2020 foram encontrados pela primeira vez em gelo da Antártida, a amostrada encontrada apresentava 14 tipos diferentes de polímeros.

Conforme a Associação Mineira de Defesa do Meio Ambiente, Pesquisadores do Departamento de Patologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) conseguiram, pela primeira vez, identificar microplásticos no tecido pulmonar humano, a descoberta, foi publicada no Journal of Hazardous Materials, e alerta para o nível de exposição humana às minúsculas partículas de plástico transportados pelo ar. o polietileno e polipropileno, os principais componentes de embalagens e produtos de uso único, foram os polímeros mais frequentes nas amostras.

Efeitos Físicos

Os efeitos físicos aos animais marinhos dos detritos de plásticos no mar devido ao emaranhamento e ingestão foram claramente demonstrados. No entanto, é mais difícil demonstrar esses efeitos para os microplásticos.

Estudos demonstraram que as micropartículas podem ser ingeridas por organismos marinhos que se alimentam de filtros, como ostras e mexilhões. Foi observado que eles fecham a parede intestinal e induzem uma reação dentro do tecido.

Em uma escala diferente, as baleias de barbatanas superficiais, como a ameaçada baleia franca do Atlântico Norte (Eubalaena glacialis), se alimentam de copépodes e outros pequenos invertebrados filtrando enormes volumes de água do mar. É possível que os microplásticos na água do mar apresentem um estressor adicional se afetarem o sistema de alimentação do filtro dentro da boca da baleia.

Fonte: Microplastics – Emerging issues.

Saiba também sobre a Poluição Plástica. A GreenView é uma Consultoria Ambiental que realizada diversos trabalhos na área de Sustentabilidade, entre em contato.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *