Modelo Conceitual no Gerenciamento de Áreas Contaminadas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Modelo Conceitual no Gerenciamento de Áreas Contaminadas

Modelo Conceitual no Gerenciamento de Áreas Contaminadas

O Modelo Conceitual da Área (MCA) no processo de Gerenciamento de Áreas Contaminadas é definido conforme a Decisão de Diretoria nº 038/2017/C da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo – CETESB, como:

O relato escrito, acompanhado de representação gráfica, dos processos associados ao transporte das substâncias químicas de interesse (SQIs) na área investigada, desde as fontes potenciais, primárias e secundárias de contaminação, até os potenciais ou efetivos receptores.

O MCA deve conter a identificação das SQIs, das fontes de contaminação, dos mecanismos de liberação das substâncias, dos meios pelos quais as substâncias serão transportadas, dos receptores e das vias de ingresso das substâncias nos receptores.

No estudo de Avaliação Preliminar é elaborado o Modelo Conceitual Inicial da Área – MCA 1, podendo ser classificado como A, B ou C, em função da qualidade e relevância das informações obtidas.

Você sabe como é realizada a classificação da área ?

A classificação do Modelo Conceitual da Área (MCA) se aplicada da seguinte forma:

MCA 1A: se aplica à situação em que foi possível identificar todas as áreas fonte existentes (atuais e pretéritas) e obter dados e informações adequadas e completas para cada uma delas, permitindo a elaboração de um Modelo Conceitual que possibilita identificá-las e localizá-las, e nelas localizar: as fontes potenciais de contaminação (ou até mesmo fontes primárias de contaminação); as substâncias químicas de interesse associadas a cada uma dessas fontes; as características dos materiais presentes em subsuperfície (aterro, solo, sedimento, rocha); o uso e ocupação do solo na região onde a área se insere;

MCA 1B: se aplica à situação em que foram determinadas incertezas quanto à identificação, caracterização e localização de áreas fonte e/ou das fontes potenciais de contaminação associadas a essas áreas fonte; e

MCA 1C: se aplica à situação em que não há informações sobre a localização e características das áreas fonte.

Fonte: DECISÃO DE DIRETORIA Nº 038/2017/C, DE 07 FEVEREIRO DE 2017.

O MCA da área de interesse em estudo deve ser atualizado constantemente, de forma a melhorar e refinar o entendimento de todos os fatores que influência a área e diminuir incertezas.

A GreenView Engenharia & Consultoria Ambiental realizada todos os estudos relacionados as etapas do Gerenciamento de Áreas Contaminadas. Você possui alguma dúvida ? Precisa de uma avaliação de sua área ? Entre em contato.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *