Remediação Termal

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email

Remediação Termal, o que é ?

A remediação termal “in situ”, ou tratamento térmico, consiste na utilização de métodos que “mobilizam” produtos e/ou substâncias químicas que causem riscos ao meio ambiente e ao ser humano, essas substâncias são “mobilizadas” do solo e ou das águas subterrâneas utilizando o calor.

Os produtos químicos se movem através do solo e das águas subterrâneas em direção aos poços coletores ou poços de extração de vapores, onde eles são coletados e canalizados para a superfície do solo a ser tratada com outro métodos de remediação.

Alguns produtos químicos são destruídos durante o processo de aquecimento. O tratamento térmico é descrito como “in situ” porque o calor é aplicado no subsolo diretamente no contaminante existente na área.

Fonte: Adaptado Clean-Up Information (Clu-In).

Vantagens

Uma das principais vantagens dos métodos térmicos “in situ” é que eles permitem que o solo seja tratado sem ser escavado e transportado, resultando em uma economia significativa de custos; no entanto, o tratamento “in situ” geralmente requer períodos de tempo mais longos do que o tratamento “ex situ”, e há menos certeza sobre a uniformidade do tratamento por causa da variabilidade nas características do solo e do aquífero e porque a eficácia do processo é mais difícil de verificar.

Remediação Termal

Técnicas para Remediação Termal

Abaixo apresentamos algumas técnicas utilizadas para a execução da Remediação Termal

ELECTRICAL RESISTANCE HEATING (ERH) – AQUECIMENTO POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA

Utiliza conjuntos de eletrodos instalados ao redor de um eletrodo neutro central para criar um fluxo concentrado de corrente em direção ao ponto central.

A resistência ao escoamento nos solos gera calor superior a 100ºC, produzindo vapor e contaminantes facilmente móveis que são recuperados por extração a vácuo e processados ​​na superfície.

O aquecimento por resistência elétrica é uma forma mais rápida de remediação com estudos de caso de tratamento eficaz do solo e das águas subterrâneas.

A utilização da técnica de ERH, acelera a remediação de VOC (Compostos Orgânicos Voláteis) pelos principais mecanismos:

  • Aumenta as temperaturas subterrâneas além do ponto de ebulição da maioria dos VOCs, fazendo com que eles façam a transição para a fase de vapor e aumentem para o sistema MPE na zona vadosa acima da região aquecida;
  • Ferve uma parte da água em todos os tipos de solo, independentemente da permeabilidade. O vapor resultante varre os vapores de VOC das lentes de sujeira de baixa permeabilidade e os carrega para cima, para o sistema MPE;
  • A medida que as temperaturas subterrâneas aumentam, as taxas de atividade biológica natural e reações químicas que causam a descloração “in situ” aumentam dramaticamente.

INJECTION OF HOT AIR – INJEÇÃO DE AR QUENTE

Pode volatilizar contaminantes orgânicos (por exemplo, hidrocarbonetos de combustível) em solos ou sedimentos. Com aplicações subterrâneas mais profundas, o ar quente é introduzido em alta pressão através de poços ou fraturas do solo. Em solos superficiais, o ar quente é geralmente aplicado em combinação com a mistura ou cultivo do solo, “in situ” ou “ex situ”.

INJECTION OF HOT WATER – INJEÇÃO DE ÁGUA QUENTE

Através de poços de injeção aquece o solo e as águas subterrâneas e aumenta a liberação de contaminantes. A injeção de água quente também desloca fluidos (incluindo produtos livres de LNAPL e DNAPL) e diminui a viscosidade do contaminante na subsuperfície para acelerar a remediação por meio de recuperação aprimorada.

INJECTION OF STEAM – INJEÇÃO DE VAPOR

A injeção de vapor aquece o solo e as águas subterrâneas e aumenta a liberação de contaminantes da matriz do solo, diminuindo a viscosidade e acelerando a volatilização. A injeção de vapor também pode destruir alguns contaminantes. Conforme o vapor é injetado através de uma série de poços dentro e ao redor de uma área de origem, a zona de vapor cresce radialmente ao redor de cada poço de injeção. A frente de vapor conduz a contaminação para um sistema de poços de bombeamento de água subterrânea na zona saturada e poços de extração de vapor de solo na zona vadosa.

RADIO FREQUENCY HEATING – AQUECIMENTO POR RADIOFREQUÊNCIA

É um processo “in situ” que usa energia eletromagnética para aquecer o solo e melhorar a extração do vapor do solo. A técnica aquece um volume discreto de solo usando fileiras de eletrodos verticais embutidos no solo ou outro meio. Os volumes de solo aquecido são limitados por duas fileiras de eletrodos de aterramento com energia aplicada a uma terceira fileira no meio do caminho entre as fileiras de aterramento. As três linhas atuam como um capacitor triplo enterrado. Quando a energia é aplicada ao conjunto de eletrodos, o aquecimento começa na parte superior central e prossegue verticalmente para baixo e lateralmente para fora através do volume do solo. A técnica pode aquecer solos a mais de 300ºC.

THERMAL CONDUCTION – CONDUÇÃO TÉRMICA

A condução térmica (também conhecida como aquecimento condutor elétrico ou dessorção térmica “in situ”) fornece calor ao solo por meio de poços de aço ou com uma manta que cobre a superfície do solo. Conforme a área contaminada é aquecida, os contaminantes são destruídos ou evaporados. Poços de aço são usados ​​quando o solo contaminado é profundo. O cobertor é usado onde o solo contaminado é raso. Normalmente, um gás de arraste ou um sistema de vácuo transporta a água volatilizada e os orgânicos para um sistema de tratamento.

VITRIFICATION – VITRIFICAÇÃO

No processo de vitrificação é utilizado uma corrente elétrica para derreter solo contaminado em temperaturas elevadas (1.600 a 2.000ºC ou 2.900 a 3.650ºF). Após o resfriamento, o produto de vitrificação é um material de vidro e cristalino quimicamente estável, resistente à lixiviação, semelhante à obsidiana ou rocha basáltica. O componente de alta temperatura do processo destrói ou remove materiais orgânicos. Os radionuclídeos e metais pesados ​​são retidos no produto vitrificado. A vitrificação pode ser realizada “in situ” ou “ex situ”.

Fonte: Traduzido e adaptado de Clean-Up Information (Clu-In). / Electrical Resistance Heating Technology Screening Report Solvents Recovery Service of New England.

Para a realização de todo o processo de remediação ambiental é necessário a realização dos estudos de Gerenciamento de Áreas Contaminadas, como por exemplo a Avaliação Preliminar, Investigação Confirmatória, Investigação Detalhada, Avaliação de Risco à Saúde Humana, Plano de Intervenção, entre outros.

A GreenView é uma Consultoria Ambiental especializada em todo o processo de Gerenciamento de Áreas Contaminadas e na execução, acompanhamento e gerenciamento da Remediação Ambiental e obtenção do Termo de Reabilitação da Área, ficou com dúvidas ? Entre em contato e solicite um orçamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *